Diferentemente dos outros estados do país, São Paulo aprovou um piso salarial próprio em 2014. Com o a votação do projeto de lei do Orçamento para o ano que vem aprovados, fica também decido quanto será o salário mínimo no ano seguinte. Enquanto o Congresso Nacional aprovou o seu projeto de lei que prevê o valor de R$ 724 no ano que vem, os paulistas terão o mínimo de R$810.

Não é a primeira vez que isso acontece: já há alguns anos o salário nesse estado é maior que a média nacional. Em 2012 o Orçamento da União previa um piso de R$678 em 2013, o estado governado mais rico do país reajustava o seu para R$ 765. Como os valores tem ajustes similares, é bastante provável que essa diferença se mantenha ao longo dos anos.

Não é difícil explicar como e por que o valor do estado é diferente –e maior- do que o do resto do país. Para isso, é preciso ressaltar de antemão que tal valor não envolve questões de bondade ou apenas o fato de o estado ser mais rico que os outros. Vamos explicar as razões de este valor.

Por que tão alto?

Salário Mínimo 2014Apesar do aumento do valor do piso, é necessário saber quanto realmente o empregado vai ter “a mais”, isto é, qual o valor de aumento real. Esse número é extremamente importante para uma economia emergente como a brasileira, que vê seu consumo crescer. Para que o consumo cresça, é necessário que o poder de compra do trabalhador também suba. E o principal agente para impedir isso tem nome: inflação.

A inflação, que é a queda do poder de compra, é quem tira grande parte do sentido de um aumento do salário mínimo. Se algo que há um ano custava R$ 10 hoje custa R$ 12, é de se entender que, se o que se ganha não sobe, em breve não servirá para nada. E São Paulo, sendo o maior produtor e consumidor de bens e serviços do país, é muito mais suscetível aos efeitos deste fenômeno.  O aumento de preços, se não combatido, pode ser remediado com o aumento do valor recebido.

Outra razão para um salário desta magnitude é o custo de vida. São Paulo é largamente reconhecida como uma das capitais mais caras do continente e o fato se repete nas grandes cidades do interior e, em menor escala, no estado inteiro. Morar em São Paulo é mais caro e exige mais capital do que em outros estados. Por exemplo: os custos básicos de um indivíduo morador da capital paulista (moradia, vestuário, alimentação e lazer) é suprido com dificuldades com esse valor. Mas esta mesma quantia, por exemplo, não teria problemas em satisfazer as mesmas necessidades de um morador de Belém ou João Pessoa.

Por último é necessário lembrar que esse novo valor do salário mínimo é definido apenas para os trabalhadores do serviço público estadual, que são cobertos pelo orçamento. No final das contas é necessário não se maravilhar com o aumento de 7% no piso do funcionalismo estadual. Como o índice que mede a inflação em 2013 chegou a quase 6%, o ganho real fica em pouco mais de 1% – o aumento em si. Por isso cuidado, já que nem tudo poderão ser flores no seu próximo holerite.